A taxa SELIC caiu para 4,25%: como investir agora?

selic caiu

A taxa Selic caiu novamente e chegou a 4,25% ao ano. É a menor da história do país. No entanto as previsões dos especialistas dizem que o ciclo de queda está chegando ao fim. O relatório Focus, do Banco Central, aponta a Selic em 6% no final de 2021. Nesse texto trazemos algumas ideias sobre como investir nesse cenário e também sobre como fazer uma reserva de emergência.

Em poucas palavras a taxa Selic é a taxa básica de juros do Brasil. Definida pelo governo, ela delimita a taxa de juros que será praticada pelos bancos. Em teoria se a Selic cai, então a taxa de juros também deveria cair.


Leia também

Por que o Brasil é um país de juros altos?

5 coisas que você precisa saber sobre juros


Como ficam os investimentos em renda fixa

Para além de definir os juros no país, a taxa Selic também serve como indexador para muitos investimentos de renda fixa. Ou seja, o investimento rende de acordo com a variação da Selic. Veja abaixo alguns exemplos, levando em conta o atual cenário.

A poupança

A poupança ainda é o “investimento” preferido do brasileiro. Entre aspas porque atualmente nem pode ser considerado investimento. Quem tem dinheiro na poupança está na verdade perdendo dinheiro. Você vai ver o valor aumentando com o tempo, o problema é que o rendimento deixa de existir quando levamos em conta a inflação.

A inflação é basicamente o aumento do preço das coisas ao longo do tempo. Vejamos na prática:

Se a taxa Selic estiver igual ou abaixo de 8,5% ao ano a poupança rende 70% da Selic + Taxa Referencial. Essa última podemos desconsiderar. Considerando que a taxa Selic caiu para 4,25% ao ano, a poupança rende hoje aproximadamente 2,9% ao ano. A inflação está projetada em 3,4% para esse ano, ou seja: deixar dinheiro na poupança não está com nada.

O Tesouro Direto

Esse é um tipo de investimento que ganhou muitos adeptos nos últimos anos. Principalmente quando a Selic estava mais alta. Só que agora o jogo virou. Em alguns casos, assim como na poupança você também perde dinheiro, pois além de a taxa Selic estar baixa, o Tesouro Direto tem imposto de renda.

Se você não quer fazer investimentos mais arriscados para buscar uma rentabilidade mais interessante, a boa é investir  nos títulos do Tesouro Direto indexados ao IPCA (inflação). Eles pagam a inflação mais uma taxa em torno de 3% ao ano. Entre os papéis disponíveis para compra, o Tesouro IPCA+ com vencimentos em 2035, 2045 e 2050 pagam hoje taxas reais de juros entre 3,16% e 3,46% ao ano.

Reserva de emergência

A reserva de emergência deve conter 6 meses do seu salário e não é necessariamente uma aplicação para fazer render o seu dinheiro. Você precisa de segurança e uma boa liquidez (facilidade para sacar o dinheiro), para que quando passe por uma emergência tenha facilidade para utilizar o dinheiro e sair do aperto. Por isso as melhores opções continuam sendo o Tesouro Direto (Tesouro Selic) ou fundos DI com taxa zero. Outra opção cada vez mais popular são as carteiras digitais que rendem 100% do CDI, como Nubank e PicPay.

A Selic caiu de novo, o que fazer?

Já que a taxa Selic caiu e se você busca uma rentabilidade maior, talvez seja o momento de arriscar um pouco mais. Isso é o que os investidores mais experientes estão buscando. Muitos estão direcionando seu capital para a bolsa de valores ou fundos imobiliários.

Caso queria manter o perfil conservador e continuar investindo em renda fixa, a opção é contratar investimentos de instituições privadas como CDBs que rendam pelo menos 105% do CDI ou LCIs e LCAs que rendam pelo menos 85% do CDI, com isenção de imposto de renda.

Fundos multimercado

Se você topa arriscar um pouco mais, mas não tem tempo para pesquisar boas oportunidades no mundo de ações ou não entende muito como a bolsa de valores e as empresas funcionam, uma boa opção é entrar em fundos. Um profissional fará o trabalho de pesquisa para você em troca de uma taxa de administração. Por exemplo os fundos multimercado. Eles juntam diversos tipos de investimento como ações, moedas estrangeiras e até títulos públicos.

É uma boa maneira de diversificar com facilidade. Busque aqueles que apresentem menos risco, caso você esteja começando a arriscar mais agora. Também tenha muita atenção ao custo da taxa de administração e da taxa de performance.

Fundos imobiliários

Os fundos imobiliários fazem parte do grupo de investimentos da renda variável. Depois que a taxa Selic caiu ainda mais, esse fundo ficou ainda mais atrativo. Em teoria o juros mais baixo no mercado favorece as construtoras que podem fazer mais projetos na área imobiliária. Com essa categoria de investimentos é possível ter um retorno acima do CDI. Além disso quando você investe num fundo imobiliário, não precisa pagar imposto de renda.

Investimento de impacto social

Se você deseja arriscar e também gostaria de ver o seu dinheiro nutrir algo que pode transformar nosso país num lugar melhor, você pode procurar investimentos de impacto social para fazer. Os investimentos de impacto dão retorno financeiro ao mesmo tempo em que contribuem para solucionar um problema social ou ambiental, principalmente das populações menos favorecidas.

A Firgun é uma plataforma de investimentos coletivos em empreendedores de baixa renda. Aqui você pode investir a partir de R$25 em empreendedores que historicamente têm dificuldade de acessar serviços financeiros de qualidade. Assim você contribui com o desenvolvimento do empreendedorismo na base da pirâmide e depois recebe seu dinheiro de volta, em parcelas, com rendimentos de até 12% ao ano. Você pode reinvestir o dinheiro ou transferir para o seu banco e sacar.

O retorno é de quase 300% do CDI, sem contar o retorno social de multiplicar oportunidades para quem mais precisa. Não é ótimo? Clique no botão abaixo e faça parte da rede que está revolucionando a maneira como se faz microcrédito no Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *