Empreendedora substitui agiota por empréstimo coletivo

agiota

Depois de três anos tomando empréstimos com um agiota, para ter fluxo de caixa em seu negócio, Débora Fidelis, a Chef Debinha, conheceu a rede de empréstimos coletivos Firgun e conseguiu investimento para seu negócio. Ela é uma cozinheira de mão cheia, faz tortas deliciosas e sua especialidade é o catering. No início de 2018 ela arrecadou R$15.000 pela plataforma, para investir na compra de equipamentos e em capital de giro.

Por que Debinha recorreu a um agiota?

Muitos de seus clientes demoram a pagar e ela precisou de um empréstimo para fazer caixa e ter um fôlego maior nos negócios. Até conhecer a Firgun, a empreendedora tomava emprestado com agiotas. Prática comum para quem têm dificuldades em conseguir um empréstimo pelas vias tradicionais.

Em 2015 a empreendedora comprou um celular, depois desistiu de usar a linha que tinha aberto. Mesmo assim recebeu uma cobrança da operadora que não chegou em sua casa. Por conta disso ficou com o nome sujo. Rapidamente ela pagou a conta atrasada e limpou seu nome, mas o banco ainda via sua situação com maus olhos e fechou as portas para qualquer possibilidade de empréstimo. Empreendedora desde 2012, não conseguiu sequer um cartão de crédito ou cheque especial.

Mesmo com o nome limpo, seu score no banco ainda estava baixo, impossibilitando novos financiamentos. Para crescer nos negócios Debinha se viu obrigada a tomar empréstimos com um agiota e o fez até 2018. Sem esse recurso a mais ela não teria como atender novos clientes enquanto esperava receber dos antigos. Embora os juros, nessa modalidade ilegal de crédito, fossem de 10% ao mês, ela nunca deixou de pagar em dia.

Já leu?


Não seja mais enganado: conheça seus direitos bancários.

Como a Firgun escolhe os projetos? Entenda nossa curadoria


Como ela saiu dessa situação?

No início de 2018 Debinha conheceu a Firgun, plataforma de empréstimos coletivos, através da Afrobusiness que fez a sua indicação. Seu negócio foi avaliado pela startup: ela estava apta a tomar um empréstimo! A campanha foi iniciada e em cerca de um mês ela levantou o dinheiro que precisava. Foram R$15.000 emprestados por quase 30 Heróis e Heroínas (investidores).

Diferente dos agiotas, a Firgun segue a lei que impossibilita indivíduos e organizações de cobrar mais que 1% ao mês de juros. Debinha está pagando juros aos seus investidores, mas muito menos do que pagaria a um agiota. Ela dividiu o dinheiro emprestado em 24 parcelas e teve um mês de carência para começar a pagar. Os Heróis que a financiaram já estão recebendo as parcelas de volta e podem usar o saldo devolvido para investir em novos projetos e aumentar ainda mais seu impacto social.

O que a Debinha fez depois?

Sua ideia inicial com o dinheiro era comprar uma máquina de embalar a vácuo para entregar suas tortas com mais higiene e durabilidade. Como não tinha mais que pagar alguém que cobrava juros absurdos, sobrou um a mais. Com o excedente a Débora fez mágica! Depois de fazer uma bela pesquisa de mercado ela usou o dinheiro excedente e comprou mais equipamentos: um fatiador de frios, uma geladeira de porta dupla e um freezer vertical. Tudo de segunda mão, mas em bom estado. Com o dinheiro em mãos comprou tudo a vista e conseguiu ótimos descontos. Um cortador de frios novo é mais de R$3.000 e ela pagou R$800.

Tudo isso contribui para o aumento do seu lucro. Antes de ter o cortador de frios, Debinha comprava tudo fatiado. Em 1kg de mussarela, pagava R$30, hoje compra peças inteiras de 5kg por R$80. Ela aumentou sua margem de lucro, está pagando 30% menos em uma de suas principais matérias primas. Seu lucro aumentou e os lanches ficaram mais gostosos. Antes eram feitos com duas fatias de frio, hoje são três. A mesma lógica se da para a geladeira que está sendo usada como estoque de produtos perecíveis. Antes, ao fazer eventos gastronômicos de maior duração, Debinha tinha quer ir quase que diariamente ao mercado para comprar os produtos, pois não tinha como guardar em casa. Hoje com a nova geladeira fica períodos mais longos sem precisar ir ao mercado, resultado: compra mais no atacado e economiza.

O resto do dinheiro a empreendedora utilizou para capital de giro. Em pouco tempo ela aumentou o faturamento e começou a contratar ajudantes, com carteira assinada e outros MEIs. Debinha está voando e o céu é o limite! É uma grande honra para nós fazer parte desse crescimento junto a todos os Heróis e Heroínas Firgun que tornaram esse financiamento possível.

O que é um agiota?

Agiota é a pessoa que empresta dinheiro para outra de modo ilegal, com taxas de juros altamente elevadas e sem a autorização do Banco Central. De acordo com a Lei Nº 1.521, a agiotagem também é conhecida por usura ou cobrança do ágio. Isto é crime, e a pena varia de seis meses a dois anos de detenção, mais o pagamento de multas.

Sobre a Firgun

A Firgun é uma plataforma de empréstimos entre pessoas (crowdlending) com o objetivo específico de financiar empreendedores de baixa renda. Os investimentos começam com valores a partir de R$25 e a rentabilidade chega a 12%.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *