Firgun realiza primeira captação para uma empreendedora imigrante

empreendedora imigrante

A Firgun abriu a primeira captação de investimento coletivo para uma empreendedora imigrante. Antes a plataforma apenas trazia a possibilidade de aportes em empreendedores brasileiros habitantes de periferias. Dentre eles mulheres e afroempreendedores. O objetivo da plataforma é trazer investimento para quem mais precisa e assim multiplicar oportunidades para imigrantes e refugiados.


Já leu?

O empréstimo coletivo fez Bruno viver do seu sonho

Investimento coletivo: alternativa para o afroempreendedor


Por que investir em uma empreendedora imigrante?

Empreender é um grande desafio por si só. É preciso coragem para começar um negócio e dar a cara a tapa. Cada escolha é um risco novo e empreender no Brasil é ainda mais desafiador. Agora imagine que você veio de outro país, não fala português e não tem pessoas conhecidas no país.

Essa é a história de Maria Nina, primeira estrangeira a captar investimento na Firgun. Maria nasceu em La Paz na Bolívia e tem três filhos. Ela veio com sua família para o Brasil em 2010 em busca de melhores condições de vida, mas nem sempre foi uma empreendedora imigrante. Quando chegou no Brasil, conseguiu um trabalho como costureira onde passava madrugadas trabalhando.

Ela sentia muita falta de estar mais perto dos filhos e depois de 8 meses na oficina como empregada, resolveu pedir demissão e abrir a sua própria confecção. Com uma máquina que ganhou, começou os trabalhos. Depois de conhecer o Instituto Alinha, que indicou a empreendedora imigrante para captação, Maria aprendeu mais sobre como gerir um negócio. Hoje a sua rotina de trabalho começa às 09:00 e termina as 18:00 com uma hora de pausa.

A empreendedora quer investir para melhorar e aumentar a sua produção. Ela precisa comprar material para a produção de novos produtos e por isso está captando R$500,00 na plataforma da Firgun.

O empreendedorismo estrangeiro no Brasil

Estima-se que o Brasil já recebeu mais de um milhão de imigrantes. Dos que pedem refúgio por motivo de perseguição ou guerra em seu país de origem, quase 80% tem desejo de empreender, mas pouco menos de 25% deles estão envolvidos com atividades empresariais. A principal dificuldade apontada pelos que desejam empreender não é o idioma ou a falta de capacitação, mas sim a falta de recursos financeiros para investir em um negócio. Enfim a dificuldade do empreendedor estrangeiro é a mesma do nacional.

Em um país que enfrenta um problema grave de desemprego com uma economia que não crescerá nem 1% em 2019, o fomento ao microempreendedorismo é uma possível solução. As micro e pequenas empresas empregam mais da metade da mão de obra do país e movimentam quase um terço do PIB brasileiro. Estimular o empreendedorismo de quem está chegando em terras brasileiras não é apenas interessante como necessário. Significa promover a criação de empregos, incremento de renda, integração à sociedade e o combate ao velho problema da desigualdade social.

O que está por vir

Nos próximos dias 3 e 4 de agosto, Lemuel Simis, um dos sócios fundadores da Firgun, estará em Roraima para participar do evento “Inspira Boa Vista”, uma iniciativa criada para identificar novas cadeias de negócios, com foco em venezuelanos e demais empreendedores de baixa renda.

A Firgun viaja a convite do CIEDS (Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável), que é a idealizador do “Inspira” e parceiro da Fundação Iochpe em outras ações de enfrentamento aos desafios trazidos com o intenso fluxo migratório à região norte. Num projeto para formar redes de integração socioeconômica, por exemplo, as duas organizações vêm promovendo formação empreendedora, articulação com instituições locais para empregabilidade e assessoria para organizações da sociedade civil local.

Sobre a Firgun

Lançada em 2017 por Fábio Takara e Lemuel Simis, a Firgun é uma plataforma online de investimentos coletivos que conecta empreendedores populares a pessoas dispostas a investir para promover impacto positivo no mundo.  De um lado, esses empreendedores captam investimentos de até R$15.000 para seus projetos. De outro, os investidores fazem aportes a partir de R$25 para tornar essas iniciativas realidade. O retorno financeiro chega a 12% ao ano sobre o capital aportado. E o impacto social gerado é mensurado e comunicado ao investidor. Saiba mais em www.firgun.com.br.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *