Pix: o pagamento instantâneo do Brasil está chegando

pix

O Pix é o sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central. Com ele a transferência financeira ocorre em tempo real e o serviço está disponível 24 horas por dia, sete dias por semana, todos os dias do ano. Independente se é feriado ou final de semana. De um lado o dinheiro sai da conta e do outro acontece a transferência de fundos, sem precisar a necessidade de um intermediário. Clique aqui para ver a apresentação do Banco Central.

O Pix estará disponível a partir de novembro de 2020, prazo dado pelo Banco Central para que todos os bancos e fintechs com mais de 500 mil contas ativas se adequem à ferramenta. As transferências poderão ocorrer de pessoa para pessoa, para empresas ou entre empresas. Uma espécie de meio de pagamento universal que promete possibilitar custos mais baixos, mais agilidade, aumentar a segurança, entre outros benefícios.

O PIX é um meio de pagamento assim como boleto, TED, DOC, transferências entre contas de uma mesma instituição e cartões de pagamento (débito, crédito e pré-pago).


Já leu?

Evite ser enganado pelo seu banco: conheça seus direitos

Título de capitalização: evite cair nessa armadilha financeira


Por que o Pix é importante?

Quando queremos realiza uma compra, pagar uma conta ou fazer qualquer tipo de transferência financeira precisamos utilizar ferramentas de outras empresas. A maioria das transferências entre contas bancárias, por exemplo, é realizada por meio de TED e DOC que podem significar custos de até R$20,00 por transação e de 30 a 45 minutos para confirmar a transação, quando feito dentro do horário de funcionamento dos bancos. Pagamentos com boleto, por exemplo, podem demorar até três dias para serem compensados. Além disso, quando fazemos uma venda ou compramos algo utilizando uma máquina de cartões, estamos pagando taxas por cada real transacionado.

Outro problema é a espera para que uma transferência aconteça, principalmente quando é para ocorrer entre bancos diferentes. Se amanhã é feriado, o dinheiro só chegará ao seu destino no próximo dia útil. Temos que esperar o final de semana acabar e o feriado passar. E se a transferência for feita após um determinado horário, mesmo que seja dia útil, temos que esperar o dia seguinte.

Para resolver os problemas citados o Pix substitui, com tecnologia, a necessidade de um intermediário para fazer acontecer uma transferência. Duas barreiras caem ao mesmo tempo: custo e tempo. A intenção do Banco Central é aumentar a eficiência e a competitividade no meio financeiro, por meio da criação de um novo meio de pagamento que ajudará no processo de evolução do mercado brasileiro.

Como funciona?

O Pix é concluído em segundos, ou seja, o tempo que o dinheiro demora para cair na conta não chega a 10 segundos. Para utilizar a tecnologia e transferir recursos podemos informar os dados bancários, como ocorre com a TED e DOC ou informar a chave Pix, que pode ser o número do celular, email, CPF ou CNPJ. Além disso a transação também pode ocorrer por meio de leitura de código QR, que deverá ser requisitado no banco onde se tem conta após novembro de 2020.

As chaves Pix são como apelidos para a identificação de uma conta bancária e para fazer um Pix basta ter a informação de uma das chaves do recebedor. Um dos objetivos da iniciativa é promover aos cidadãos uma melhor experiência de pagamentos, tanto para pagadores como para recebedores. Para o primeiro a intenção é possibilitar uma forma de pagamento mais rápida, fácil e intuitiva como se estivesse usando dinheiro em espécie. Do ponto de vista dos recebedores, espera-se que a diminuição do número de intermediários na cadeia de pagamentos leve a custos menores que os demais meios eletrônicos. Além disso, a disponibilização imediata dos recursos vai melhorar a gestão do fluxo de caixa dos usuários recebedores, o que tenderá a reduzir sua necessidade de crédito. Outro benefício é a facilidade de automatização e de conciliação dos pagamentos.

Sobre os códigos QR

O uso dos códigos QR se dará de duas maneiras:

  • QR Dinâmico
    • De uso exclusivo para uma transação específica. Depois não pode ser utilizado para o mesmo fim.
    • Permite a inserção de outras informações para além dos valores, como a identificação do recebedor
    • Gerado por um sistema para diversas transações
    • Ideal para estabelecimentos com autoatendimento, pois cacilita a conciliação e automação comercial
  • QR Estático
    • Uso em múltiplas transações
    • Permite a definição de um valor padrão ou a inserção de um valor pelo pagador
    • Ideal para pequenos comerciantes, prestadores de serviço e pessoas físicas

A diferença principal entre os dois é que no QR dinâmico será criado um novo QR a cada transação e o estático será o mesmo sempre.

O Pix na prática

A partir de um smartphone o usuário abre o aplicativo do banco ou de uma instituição de pagamentos, escolhe se vai fazer um pagamento ou recebimento, faz a leitura do código QR do recebedor e autoriza o pagamento que ocorrerá instantaneamente com a senha. Por enquanto é preciso ter acesso a internet no momento da transação, mas há um estudo para que possamos realizar transações quando estiver offline.

A longo prazo o potencial do Pix poderá servir para substituir as transferências via DOC e TED e até o pagamento em papel moeda. Para pagamentos de contas ou impostos a vantagem está na velocidade. Caso sua conta de luz esteja para ser cortada e você realiza o pagamento via Pix, a empresa receberá na hora a mensagem de que a conta foi paga e poderá religar sua eletricidade.

Sobre a Firgun

Uma plataforma de empréstimo coletivos com objetivo de promover acesso a microcrédito para empreendedores de baixa renda. Você pode investir valores a partir de R$25 para, além de promover oportunidade para quem mais precisa, ter rentabilidade de até 12% ao ano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *