Como se planejar (e conseguir) a Previdência Privada?

previdencia privada

previdência privada é uma aposentadoria que não está ligada ao sistema do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Ela é complementar à previdência pública. Aqui falamos sobre os dois tipos de previdência privada: VGBL e PGBL. Porém além deles você também pode fazer por conta própria seus investimentos e ter mais controle sobre a sua própria aposentadoria. Exige um pouco mais de planejamento e dedicação, mas também é uma opção.

Atualmente mais de um terço (33,9%) dos idosos que já estão aposentados continuam exercendo alguma atividade profissional. E a principal motivação é a falta de renda complementar à aposentadoria, que não é o suficiente para cobrir todos os gastos e despesas. Isso é o que diz a pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). Por isso, a busca por uma vida confortável na terceira idade coloca a previdência privada como um importante fator para garantir uma melhor qualidade de vida no futuro.

E sabia que você pode começar desde agora a planejar um melhor suporte financeiro e manter o seu padrão de vida? Quer saber uma das formas? Entenda neste artigo como a previdência privada pode te ajudar nisso!


Já leu?

6 Passos para criar um planejamento financeiro inteligente

Millennials gastam mais com comida do que fazem investimentos


Como funciona a previdência privada?

O contribuinte decide a que plano aderir e começa a fazer depósitos regulares para que o dinheiro seja acumulado e uma seguradora utiliza esse montante para investir em produtos financeiros, cobrando algumas taxas para fazer esse serviço. Consiste em fazer depósitos de acordo com suas possibilidades, seja por aportes maiores ou um pequeno valor mensal. O importante é sempre reservar uma parte dos seus ganhos para a aposentadoria.

Essa ação é conhecida como Fase de Acumulação – no qual o capital é acumulado – e a Fase de Resgate consiste em receber esse valor investido com seus devidos descontos e usufruir do capital aplicado. Para conhecer a previdência privada, é preciso conhecer suas vantagens e desvantagens, as taxas envolvidas e um passo a passo de como escolher o melhor plano para sua aposentadoria.

Conheça os principais planos: o PGBL e o VGBL

Os principais planos de previdência privada são conhecidos como PGBL, o Plano Gerador de Benefício Livre, e o VGBL, o Vida Gerador de Benefício Livre. Pode parecer difícil de entender, mas os dois servem para atender necessidades específicas do contribuinte, dependendo da maneira como você paga seu imposto de renda. Vamos para as características que diferem os dois principais planos:

  • PGBL: o Plano Gerador de Benefício Livre é útil para quem faz declaração completa, ou seja, para quem tem muitas despesas a declarar. Além disso, você pode deduzir o valor das contribuições da sua base de cálculo do Imposto de Renda, com limite de 12% da sua renda bruta anual. Por exemplo, se você ganha R$100.000 reais por ano e investe R$12.000 por ano, sua base de cálculo não será mais de R$100.000, mas sim de R$88.000. Isso pode fazer com que pague mais tarde o Imposto de Renda, reduza o valor do imposto a pagar ou aumente sua restituição do Imposto de Renda.
  • VGBL: o Vida Gerador de Benefício Livre é indicado para quem faz a declaração simplificada, não declara ou não é tributado pela fonte, muito utilizado por autônomos. Neste caso, o Imposto de Renda incide sobre os rendimentos, e não sobre o total acumulado – como no modelo PGBL. O tipo de plano varia entre o perfil específico de cada um. Por isso é importante reforçar a atenção que se deve ter em relação ao modelo tributário adotado. Ele pode ser regressivo ou progressivo, assim como as diversas taxas ligadas a previdência complementar como será explicado no próximo tópico.

Fique de olho nas taxas!

Todos devem pagar impostos e fazemos isso em diversos serviços que usamos, e quando se trate de seguradora, não é diferente! Por isso, é crucial analisar o perfil de cada Instituição para identificar qual serviço irá oferecer menos taxas para o acolhimento do seu dinheiro. Primeiro, iremos falar sobre a diferença do modelo tributário progressivo e regressivo. No modelo progressivo, o que será cobrado é uma alíquota. Ela depende do valor a ser resgatado, isto é, será levado em conta o valor do benefício que será recebido.

Por exemplo, se a sua renda mensal de aposentadoria é R$2.000, você pagará uma alíquota de 7,5% de Imposto de Renda. Abaixo, está a tabela referencial do modelo para efeitos de cálculo:

Tabela disponível em: https://www.topinvest.com.br/tributacao-da-previdencia-privada/ – Acesso em 23/09/2019.

Já no modelo regressivo, é útil para quem investirá por muito tempo, assim a alíquota diminui conforme o tempo passa. O cálculo é feito de acordo com a tabela abaixo:

Tabela disponível em: https://www.topinvest.com.br/tributacao-da-previdencia-privada/ Acesso em 23/09/2019 –

Atenção para outras taxas cobradas:

  • Taxa de Carregamento: incide sobre cada depósito/aplicação feita e serve para cobrir despesas de administração e serviços de corretagem. Geralmente, não excedem a taxa de 5% do valor investido nas aplicações.
  • Taxa de Administração: cobrada pela tarefa de administrar o dinheiro do fundo de investimento e pode variar de acordo com as condições comerciais do plano contratado.
  • Taxa de saída: uma espécie de imposto cobrado pela administração do plano quando você resgata o investimento. Se a taxa de saída for de 2% e você tiver acumulado R$ 500.000,00 no seu plano de aposentadoria, seria depositado para você o valor de R$ 490.000,00. Os outros R$ 10.000,00 ficariam para instituição com a cobrança da taxa de saída.

Vantagens: benefícios de uma previdência privada

  • Sem o chamado “Come-cotas”, imposto que ocorre em outros fundos de investimento, como os fundos de renda fixa e multimercados. A cobrança é do Imposto de Renda, feita a cada semestre e incide sobre o rendimento nos meses de maio e novembro. Entretanto, o investidor só será tributado quando houver resgate do dinheiro aplicado.
  • Bom para sucessão patrimonial (herança): isto porque as reservas acumuladas na previdência privada não são incluídas no cálculo do Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação, o ITCMD. Assim, em caso de morte de titular, o dinheiro costuma ser liberado rapidamente aos beneficiários, que são informados no momento de contratação do plano.
  • Possibilidade de Portabilidade: caso você não esteja satisfeito com a seguradora escolhida, você pode transferir seu dinheiro para outra que ofereça melhores condições e menores taxas.

Desvantagens: pontos negativos de um plano previdenciário privado

  • Baixa rentabilidade e baixa liquidez: a previdência privada não deve ser entendida como uma forma de investimento em si, mas sim de seguro, pois a mesma não gera rendimentos expressivos e rapidez para o dinheiro aplicado. Portanto, serve para uma forma de garantia, e não para quem almeja aumentar seu capital ascendentemente.
  • Altas taxas cobradas: muitas pessoas desconhecem das altas taxas abusivas de certas seguradoras e isso torna o plano menos rentável.
  • Gestão não personalizada: isso acontece quando a seguradora escolhe os setores que irá investir o dinheiro, e não o titular do plano. Os investimentos não serão feitos de acordo com o perfil e interesses do titular.
  • Não é garantido pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito). Ou seja, caso a seguradora quebre ou seja acometida por algum acontecimento grave, o dinheiro aplicado poderá não ser restituído.

Passo a passo para ter uma previdência privada

Defina seus objetivos

Tenha em mente quanto tempo será necessário até você querer usufruir do dinheiro e a quantidade certa de aportes mensais que deseja acumular. Também pense se esta é a melhor forma de seguro para você.

Faça uma análise das seguradoras

Estude as instituições, taxas cobradas e o modelo de tributação mais adequado para você. Compare seguradoras: uma boa forma de fazer esta comparação é simular a previdência privada nos sites das principais seguradoras deste setor. Tem-se como exemplo: BrasilPrev, Santander, Caixa, Banco do Brasil, Itaú, Bradesco e Porto Seguro.

Sites para simulação

Itaú: https://www.itau.com.br/personnalite/investimentos/nossarecomendacao/projeto-vida/simulador-aposentadoria/

Caixa: https://www.caixaseguradora.com.br/SimuladorPrevidencia/index.html/

Busque pelas menores taxas: quando você tem um plano com taxas exorbitantes, a tendência é transferir o dinheiro que poderia ser de seu domínio para as cobranças feitas por certas seguradoras. Por isso, busque por um plano com o mínimo de taxas cobradas a você.

O modelo de tributação deve estar vinculado ao seu objetivo: se você pretender resgatar o montante aplicado a longo prazo, o modelo de tributação regressivo pode ser mais proveitoso para você, pois valoriza o tempo total investido. Já no modelo de tributação progressivo, o que determina é o valor a ser resgatado.

Agora é com você!

Por fim, entenda que há outras formas de obter rentabilidade e maiores rendimentos, porém a previdência privada continua sendo uma forma eficiente de ser escolhida, se bem analisada as condições de acordo com o perfil do contribuinte. Compreendeu os principais tópicos da previdência privada? Escrevemos esse texto para te ajudar a iniciar o planejamento financeiro do melhor plano previdenciário para você. Já tem uma escolha em mente?

Sobre a Firgun

Lançada em 2017 por Fábio Takara e Lemuel Simis, a Firgun é uma plataforma online de investimentos coletivos que conecta empreendedores populares a pessoas dispostas a investir para promover impacto positivo no mundo.  De um lado, esses empreendedores captam investimentos de até R$15.000 para seus projetos. De outro, os investidores fazem aportes a partir de R$25 para tornar essas iniciativas realidade. O retorno financeiro chega a 12% ao ano sobre o capital aportado. E o impacto social gerado é mensurado e comunicado ao investidor.

Saiba mais em www.firgun.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *