Taxa SELIC baixa: o que quer dizer e como se adaptar?

taxa SELIC

Desde o início do ano estamos ouvindo falar sobre os cortes na taxa SELIC e que as dinâmicas de consumo e poupança de famílias e empresas deve mudar. Atualmente a SELIC está em 5% ao ano. Para 2020 a previsão é que ela esteja em 4,5%.

Mas o que é essa taxa, como ela influencia nosso bolso e qual a melhor forma de se adaptar a esse novo cenário?


Já leu?

5 coisas que você precisa saber sobre juros

Contas digitais: qual a melhor para mim?


O que é e como se comporta a taxa SELIC?

Aqui explicamos de maneira simples o que é a taxa SELIC. O Sistemas Especial de Liquidação e Custódia (SELIC) é o sistema usado pelo governo brasileiro para controlar a emissão, as compras e vendas de títulos públicos federais. O governo emite títulos para controlar a dívida do país. É uma das maneiras que ele tem para captar recursos. Você pode investir comprando títulos públicos, ou seja, emprestando dinheiro para o governo. Isso é feito por meio do Tesouro Direto.

Para saber a rentabilidade do seu investimento, caso aplique seu dinheiro no Tesouro Direto atrelado a SELIC, fique atento ao que for definido pelo COPOM, o Comitê de Política Monetária. Este órgão do Banco Central define a taxa básica de juros e com ela o rendimento desse tipo de investimento que estamos usando de exemplo. A taxa de juros básica é usada nas operações dos bancos comuns, que usam os títulos do governo como lastro. Sendo assim a SELIC determina o nível básico do juros na economia.

Como a taxa SELIC ajuda a controlar a inflação?

A taxa SELIC é a principal ferramenta usada pelo governo, no papel do Banco Central, para controlar a inflação. A inflação mede o aumento dos preços. Dessa forma, os resultados da economia brasileira, sem excluir o cenário internacional, influencia na decisão do BC para alterar essa taxa que, no momento atual, vem em constante queda.

Quando o COPOM baixa a taxa básica de juros ele envia uma mensagem para os bancos: vocês também podem baixar a taxa de juros. Teoricamente os bancos baixariam as taxas de juros cobradas nas diferentes modalidades de crédito. Falamos teoricamente pois na prática isso não acontece e o crédito continua caro para os brasileiros. Entenda mais sobre isso no texto “Por que o Brasil é um país de juros altos?”.

Com a taxa de juros mais baixa os empreendedores poderiam pegar empréstimos mais baratos para investir em seus negócios e colocariam mais produtos no mercado. Com mais oferta de um determinado produto no mercado o preço dele cairia, o que por sua vez tem efeito de controle sobre a inflação.

Os objetivos são claros: quando a taxa SELIC cai o governo quer estimular o consumo e diminuir o valor do crédito, assim temos uma economia mais dinâmica e a inflação cresce de forma controlada. Além disso a queda da taxa SELIC também afeta a forma como poupamos nosso dinheiro!

Investimentos atrelados a SELIC

Naturalmente, os investimentos atrelados à taxa SELIC, como o Tesouro Direto citado antes, passam a ter um rendimento menor quando esta cai. Por isso estamos ouvindo falar sobre a migração de investimentos da Renda Fixa para a Renda Variável e vimos a IBOVESPA bater recorde de movimentações e valorização nos últimos meses .

Quando a taxa SELIC cai muito é melhor pensar duas vezes antes de investir, porque pode não ser muito vantajoso aportar seu dinheiro em investimentos atrelados a essa taxa.

Vamos pegar como exemplo a poupança. Quem está investindo por ela acaba por sofre mais. Quando a taxa de juros estiver acima de 8,5% ao ano, o rendimento da poupança será fixo: 0,5% ao mês mais a taxa referencial (TR). Quando a taxa de juros estiver abaixo ou igual a 8,5% ao ano, a poupança rende 70% da Selic mais a TR.

Não significa que investir em Tesouro Direto (títulos públicos) é ruim, uma vez que os títulos públicos federais são o investimento mais seguro que existe. No entanto, esse é o momento de reflexão sobre os seus investimentos e tomar decisões pensando no seu futuro.

Opções de investimento: Renda Fixa x Renda Variável

Renda Fixa são investimentos que possuem uma taxa de rentabilidade que não muda com o tempo. Geralmente essa rentabilidade está atrelada a taxa básica de juros e, portanto, sofre um pouco mais de interferência da taxa Selic. De forma bastante resumida (vamos falar melhor sobre eles em outro texto), investimentos de Renda Fixa podem estar atrelados diretamente à Selic ou CDI, uma média da taxa de juros praticada pelos empréstimos interbancários; atrelado ao índice IPCA; ou mesmo serem pré-fixados.

A Renda Variável, por sua vez, não traz previsibilidade de rendimento no momento da sua compra. Por esse motivo, ela é considerada um investimento com mais risco, porém, com probabilidade muito maior de ganhos. Dentre os investimentos de Renda Variável, temos ações, câmbio, imóveis, entre outros.

Por mais complicado que pareça, não é. Isso também é papo para um outro texto, mas conhecendo seu perfil de investidor, a origem dos tipos de investimento e alguns termos fundamentalistas é possível fazer o seu dinheiro trabalhar para você de forma segura e eficiente!

Conclusão

O importante aqui é entender o que é a Taxa SELIC, porque está em queda e o que devemos fazer para não ver nosso dinheiro sendo desvalorizado.

A SELIC, como taxa básica de juros do nosso país, reflete um pouco da nossa economia e, portanto, influencia a inflação, o crédito e o consumo dos brasileiros. A expectativa é de que essa taxa continue caindo até o fim de 2019 e durante o ano de 2020. Portanto, o momento é agora e o impacto de uma decisão sem um conhecimento básico dos tipos de investimento podem trazer consequências negativas no futuro.

Naturalmente, por estar em queda, faz sentido refletirmos se a melhor decisão é deixarmos nosso dinheiro em lugares em que a rentabilidade está bastante relacionada a essa taxa e se não deveríamos aproveitar o momento para arriscar um pouco mais e buscar outros tipos de investimento. Como a Firgun, por exemplo. Com a Firgun você pode investir com valores a partir de R$25 e ter rentabilidades de 12% ao ano, além de contribuir para multiplicar oportunidades para quem mais precisa.

Sobre a Firgun

Lançada em 2017 por Fábio Takara e Lemuel Simis, a Firgun é uma plataforma online de investimentos coletivos que conecta empreendedores populares a pessoas dispostas a investir para promover impacto positivo no mundo.  De um lado, esses empreendedores captam investimentos de até R$15.000 para seus projetos. De outro, os investidores fazem aportes a partir de R$25 para tornar essas iniciativas realidade. O retorno financeiro chega a 12% ao ano sobre o capital aportado. E o impacto social gerado é mensurado e comunicado ao investidor. Saiba mais em www.firgun.com.br.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *